A variante brasileira do coronavírus P1 é a causa de 39,7% dos novos casos detectados em Lima, capital do Peru, depois de ter entrado no país vizinho através da bacia do rio Amazonas, declarou nesta quarta-feira, 25, o ministro da Saúde, Oscar Ugarte. “A principal variante que causa a Covid-19 em Lima, em 39,7%, é a variante brasileira. É importante saber. Sabíamos que ela tinha chegado (ao país), tinha sido identificada em Loreto e Huanuco, e houve um caso em Lima há algumas semanas”, declarou Ugaret em entrevista coletiva. O estudo do Instituto Nacional de Saúde (INS) também constatou que nos distritos ao leste de Lima, a P1 sobe para 63,2%. A presença da Cepa, segundo o ministro da saúde, demonstra a rapidez com que a doença se espalhou, embora não haja certeza se a mutação é mais grave.

Ugarte disse que a variante de Manaus entrou em território peruano através da bacia do rio Amazonas, razão pela qual os primeiros casos foram detectados há várias semanas em Loreto, na fronteira, e em outras regiões da selva, como Huanuco e Ucayali. “O INS está expandindo a investigação em todo o país para saber o que está acontecendo em todas as regiões e evitar que isso se espalhe e tenha melhor controle”, destacou o ministro. Segundo ele, há uma leve diminuição em novos casos no país vizinho, em meio à segunda onda de infecções. Porém, ressaltou que a situação não seja motivo para baixar a guarda, mas sim para redobrar os cuidados, levando em consideração que o feriado de Semana Santa e as eleições gerais de 11 de abril estão se aproximando.

De acordo com o último relatório do Ministério da Saúde, o número de infecções em território peruano nas últimas 24 horas foi de 4.978 novos casos, o que elevou o total a 1.481.259, e 135 mortes, fazendo com que a soma desde o começo da pandemia chegasse a 50.474. O número de pacientes hospitalizados com Covid-19 subiu para 15.248, com 283 nas últimas horas, e 2.251 em unidades de terapia intensiva, oito a mais do que ontem.

*Com informações da EFE