A vacina contra a Covid-19 produzida pela companhia farmacêutica Johnson & Johnson é eficaz em todos os subgrupos demográficos. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 26, pela agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (FDA), que analisa a liberação de uso do agente imunizante no país. Em uma reunião do comitê de especialistas médicos para avaliar a eficácia da vacina, a FDA indicou que o produto da Johnson & Johnson também demonstrou ser seguro. O grupo de trabalho, que inclui 22 médicos especialistas em epidemiologia, vacinas, medicina interna e pediatria, deve emitir hoje um parecer, antes a FDA decida se autorizará ou não o uso da vacina. A expectativa é de que o anúncio seja feito nesse sábado. Até o momento, os EUA concederam autorização para o uso de emergência para as vacinas contra o novo coronavírus produzidas pelas companhias Pfizer e Moderna, sendo dois imunizantes que requerem a aplicação de duas doses e temperaturas muito baixas para a conservação. O agente imunizante da Johnson & Johnson, por sua vez, pode ser armazenado em refrigeradores comuns por até três meses.

Os testes clínicos da vacina mostraram uma eficácia de 66%, marca que é inferior às concorrentes, mas superior ao mínimo exigido pela FDA.  Nos testes realizados nos EUA e na América Latina a eficácia foi de 72%; enquanto na África do Sul, onde se propagou uma cepa mais resistente e mais contagiosa do novo coronavírus, de 64%.A vacina teve ainda uma taxa de prevenção de 73,1% de casos ocorridos, pelo menos, 14 dias depois da vacinação; e de 81,7%, pelo menos 28 dias após a aplicação. Após obter a aprovação emergencial, a Johnson & Johnson planeja distribuir cerca de 20 milhões de doses nos Estados Unidos até o fim de março. O governo já promete que de três a quatro milhões serão entregues aos estados na próxima semana.

*Com informações da EFE