O Estado de São Paulo registrou mais de mil mortes provocadas pelo novo coronavírus pela terceira vez nesta semana. Neste sábado, 27, de acordo com informações do governo estadual, 1.051 óbitos foram contabilizados, totalizando 71.747 vítimas fatais desde o começo da pandemia, em março do ano passado. Até agora, são 2.410.498 casos confirmados em São Paulo, sendo 2.062.273 recuperados.

A marca de hoje só não é pior do que a da última sexta-feira, 26, quando o Estado computou o recorde de 1.193 óbitos em 24 horas. A marca de mais de mil mortes em um dia já havia sido registrada pela primeira vez na terça-feira, 23, com 1.021 óbitos. Segundo o governo de São Paulo, a média móvel desta semana é de 618 mortes e a faixa de mil só foi ultrapassada nos três dias devido à alteração dos critérios de notificação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no SIVEP, que dificultaram registros e desencadearam oscilações nos dados diários.

Assim como a maior parte do território brasileiro, São Paulo está enfrentando o pior momento da pandemia. Até ontem, mais de 30,5 mil pessoas estavam hospitalizadas devido à Covid-19: são 30.549 internados, sendo 12.674 pacientes em leitos de Terapia Intensiva e 17.875 em enfermaria. As taxas de ocupação dos leitos de UTI foram de 91,6% tanto no Estado quanto na Grande São Paulo. Por isso, o governador João Doria (PSDB) decidiu prorrogar a fase emergencial até o dia 11 de abril, visando diminuir a circulação de pessoas e, consequentemente, reduzir a disseminação do coronavírus.