Mesmo com o surgimento de uma terceira onda da pandemia e uma possível identificação da variante indiana em São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes garante que a capital paulista está preparada enfrentar “para qualquer situação”. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 31, ele ressaltou a busca da prefeitura para “se antecipar” e as estratégias adotadas para garantir a disponibilidade de leitos de UTI com os recentes aumentos das internações. “O Bruno Covas sempre orientou é que não espere as coisas acontecerem para agir. Pode errar pelo excesso, pela omissão jamais. Por isso que a gente já deixou preparado 250 leitos para entrar em operação, quando necessário, tem a questão das barreiras sanitárias, uma equipe de logística gigantesca em uma cidade de 12 milhões de habitantes para fazer a vacinação com 468 UBS. Desde março do ano passado, já contratamos 11.500 profissionais da saúde. Então São Paulo tem dado resposta muito rápido”, disse, reforçando que a cidade está preparada, com equipes de saúde monitorando possíveis registros da nova cepa do coronavírus. “A gente acredita muito na nossas barreiras sanitárias. Se, eventualmente, vier a terceira onda, estamos preparados para atender a população. O que queria deixar muito tranquilo é que a cidade de São Paulo está preparada, está comprometida com qualquer situação que venha a oferecer.”

Ainda sobre o enfrentamento à pandemia, Ricardo Nunes citou o desenvolvimento de um software que será capaz de mapear as pessoas que foram vacinadas no município, assim como os cidadãos que tiveram diagnóstico positivo para a Covid-19. Segundo ele, considerando estudos feitos em São Paulo, é possível afirmar que metade da população paulistana possui o que ele chamou de “situação de imunidade”. “O último [inquérito sorológico] definiu que já temos 33,5% da população de São Paulo tiveram contato com o vírus. Depois um novo estudo feito com as pessoas vacinadas, a gente pode afirmar que hoje metade da população tenha, de uma certa forma, uma situação de imunidade”, ressaltou o prefeito, que citou ainda o legado que Bruno Covas deixou para o combate à pandemia. “Ele até veio morar na prefeitura, criou uma rede muito grande, comprometida e dedicada na área da saúde. As pessoas da nossa secretaria de Saúde a gente tem uma relação de muita proximidade e comprometimento. Como o Bruno estava sempre presente, eu vou acompanhar as campanhas de vacinação, visitar UBS, hospitais, para demonstrar que o Executivo está junto e unido na questão.”