Prefeitura atrasa pela sexta vez a entrega da reforma do Vale do Anhangabaú. A promessa, agora, é que a obra no centro da cidade de São Paulo seja finalizada até o dia 1º de abril. Na carta enviada à Prefeitura, o consórcio responsável pela revitalização afirmou que o novo prazo é necessário para finalizar as operações das fontes, atividades complementares e ajustes finais da obra. As empresas FBS Construção Civil e a Lopes Kalil Engenharia alegam problemas de alteração de projeto e efeitos da pandemia. A reforma do Vale do Anhangabaú já teve 13 termos de aditamento de contrato entre a gestão de Bruno Covas e o Consórcio Central.

Inicialmente, a entrega estava prevista para junho de 2020, com o custo total de R$ 80 milhões. O valor já sofreu um reajuste de 32% e bateu a cifra de R$ 105,6 milhões. O Vale do Anhangabaú foi cedido à iniciativa privada por 10 anos por R$ 6,5 milhões, 16 vezes menor que o montante investido na reforma. Pelo acordo, a concessionária poderá explorar a área comercialmente em troca de investimentos na segurança e no cuidado do local. Durante a campanha para a Prefeitura de São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) havia prometido que a obra ficaria pronta em 30 de outubro — mesmo com três atrasos até então.

*Com informações do repórter Vinícius Nunes