Com o impacto causado pela pandemia do novo coronavírus, o mercado de seguros tenta se reinventar para superar a crise. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Roberto Santos, presidente da Porto Seguro, explicou a estratégia da empresa para tornar seus produtos mais atrativos e dobrar a quantidade de clientes nos próximos anos. “A Porto Seguro se traduz, desde o início da nossa história, por incluir serviços agregados nos nossos produtos. Isso se traduz muito, por exemplo, no seguro de automóveis. Temos os serviços para residências junto com o seguro de automóveis. Nós também lançamos, há dois anos, o primeiro serviço de assinatura para veículos, o Carro Fácil. Através de uma mensalidade você pode utilizar um veículo, não precisa pagar pelo seguro, pela manutenção, o IPVA também não, apenas eventuais multas e combustíveis. Todo ano troca de carro e está sempre com um carro zero. A gente considera que é uma grande inovação no mercado”, disse.

Nos próximos seis anos, a Porto Seguro espera dobrar o número de clientes, que atualmente é de cerca de 9 milhões. Para isso, a empresa aposta em quatro verticais de negócio. “Nós trabalhamos em quatro verticais de negócio: o seguro, o seguro-saúde, uma vertical de produtos financeiros, o que pouca gente sabe, atuamos quase como bancos, e atuamos na área de serviço. Nos próximos cinco, seis anos, trabalhamos com a hipótese de dobrar a quantidade de clientes. Temos 8,5 milhões, caminhando para 9 milhões de clientes, e a gente pretende dobrar essa quantidade em um futuro próximo, e trabalhando com a possibilidade de integrar nossos negócios aos clientes, ou seja, cada vez mais, o cliente ter acesso ao ecossistema Porto Seguro de negócios. A Porto Seguro tem planos audaciosos de crescimento dentro do nosso país”, explicou.