A Pfizer e a BioNTech deram início nesta quinta-feira, 25, a um estudo para descobrir que se uma terceira dose da sua vacina contra a Covid-19 poderia garantir a proteção contra as novas variantes do coronavírus. As empresas farmacêuticas já haviam concluído que o padrão recomendado de duas doses do imunizante surte uma resposta imune menor diante das novas cepas do Sars-Cov-2. Agora, a ideia é dar uma terceira injeção da vacina em 144 voluntários que já receberam as duas primeiras doses entre seis e 12 meses atrás. Na sequência, essas pessoas serão expostas às novas variantes do coronavírus em três ocasiões: logo depois de receberem a terceira dose, depois de uma semana e depois de um mês.

A Pfizer e a BioNTech não especificaram quando terão os resultados dessa pesquisa, que mostrará se mais uma aplicação do imunizante é ou não capaz  de aumentar a eficácia contra as versões britânica, sul-africana e brasileira do vírus. As empresas farmacêuticas também planejam desenvolver uma nova vacina contra a Covid-19 que atue especificamente contra as variantes, consideradas mais transmissíveis que a versão que deu origem à pandemia.