O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), convocou os governadores para a primeira reunião após a criação de um comitê de crise para combater a pandemia do novo coronavírus no país. O encontro virtual ocorrerá na sexta-feira, 26, às 8h. O grupo foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro após a reunião com os representantes dos três Poderes no Palácio da Alvorada, na qual estiveram presentes os governadores de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), do Amazonas, Wilson Lima (PSC), de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), do Alagoas, Renan Filho (MDB), e de Rondônia, Marcos Rocha (PSL). Pacheco será o responsável pela interlocução com os gestores estaduais.

O comitê de crise foi criado um ano após o início da pandemia, no momento em que o país enfrenta o aumento expressivo no número de mortes e o colapso da rede hospitalar em quase todos os Estados enquanto a vacinação ainda está em estágio inicial. Nesta terça-feira, 23, segundo dados do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), o Brasil registrou um novo recorde, com 3.251 novos óbitos.

A coordenação nacional era um pedido dos governadores. Como a Jovem Pan mostrou, no dia 10 de março, os chefes dos Estados divulgaram uma carta na qual conclamavam um “pacto nacional” para conter o avanço da Covid-19 no Brasil. “O coronavírus é hoje o maior adversário da nossa Nação. Precisamos evitar o total colapso dos sistemas hospitalares em todo o Brasil e melhorar o combate à pandemia. Só assim a nossa Pátria poderá encontrar um caminho de crescimento e de geração de empregos”, diz um trecho da carta. “Consideramos que esse Pacto deve ser dirigido por um Comitê Gestor, com a participação dos três Poderes e de todos os níveis da Federação, além da assessoria de uma comissão de especialistas. Esse é o nosso respeitoso convite à Nação, acreditando que as Casas do Congresso Nacional, como instâncias de representação de toda a sociedade, podem ser as condutoras desse importante Pacto. Estamos unidos pela vida e pela saúde”, acrescentam.