A Organização Mundial da Saúde (OMS) solicitou nesta terça-feira, 1, a reavaliação de um estudo que sugere que o novo coronavírus já estava circulando antes do primeiro caso ter sido identificado na China, em dezembro de 2019. A pesquisa publicada no ano passado sugere que anticorpos para a Covid-19 foram detectados na Itália em outubro, ou seja, dois meses antes. As conclusões levaram a mídia estatal chinesa a sugerir que a doença pode não ter se originado na China, mas os cientistas italianos defendem que as evidências levantam questões sobre quando o vírus surgiu, e não onde. Um porta-voz da OMS anunciou que a entidade está em contato com os pesquisadores que publicaram o artigo original para solicitar a sua colaboração para uma reavaliação dos dados obtidos. Na sequência, o Instituto do Câncer de Milão disse ter aceitado o pedido de “compartilhar material biológico” e “refazer os testes em um laboratório independente”. A volta dessa debate acontece em meio à uma pressão da comunidade internacional para que as origens da pandemia sejam esclarecidas. O presidente Joe Biden inclusive pediu que as agências de inteligência dos Estados Unidos coloquem mais esforços nas investigações sobre o assunto.