No dia em que o primeiro caso do novo coronavírus no Brasil faz um ano, o estado de São Paulo anunciou que seis regiões da capital regrediram à fase laranja do Plano SP. “Seis regiões do estado regrediram de fases: grande São Paulo, Campinas, Sorocaba e Registro foram da fase amarela para a fase laranja. Marília e Ribeirão Preto foram da fase laranja pra fase vermelha. Somente a região de Piracicaba apresentou melhora progredindo para fase amarela, o restante do estado permaneceu estável”, afirmou o governador do estado, João Doria, nesta sexta-feira, 26. Ele explicou que o aumento na ocupação de leitos primários e de UTI nessas regiões motivaram a volta à fase laranja.

Segundo os detalhes do plano, os shoppings e comércios só poderão ficar abertos até 20h e podem operar com 40% da capacidade total. O consumo de clientes nos locais não será mais permitido em bares e será permitido até às 20h em restaurantes, que assim como o comércio e os shoppings deverão funcionar com horário reduzido, ficando abertos por 8 horas após às 6h e antes das 20h. O mesmo vale para academias, salões de beleza e eventos culturais. “Nós temos aqui a proibição de atendimento presencial da função bar, bares podem operar como restaurantes, como acompanhamento da refeição”, afirmou a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen.

A ocupação de leitos total do estado está em 70,4% e a região metropolitana da capital também ultrapassou os 70% de ocupação, o que causou a reclassificação no Plano SP. Além de Marília e Ribeirão Preto, Barretos, Araraquara, Bauru, e Presidente Prudente também estão na fase vermelha atualmente. O governo considera esta sexta como o pior dia da pandemia desde o início da crise de saúde no país. Doria aproveitou para lembrar do reforço na fiscalização das ruas com o toque de restrição que se inicia nesta sexta e fez um apelo para os jovens não se aglomerarem. “Se você ama o seu pai, se você ama a sua mãe, se você ainda tem avós vivos e ama seus parentes, por favor, não faça aglomerações”, suplicou, falando, novamente, que uma saída na rua pode ser “um encontro com a morte”.

Mais informações em instantes