A Polícia Federal pediu o indiciamento do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), pela compra irregular de 400 respiradores no passado, por um valor estimado de R$ 50 milhões. A acusação é que o governo estadual direcionou o contrato de compra para a empresa SKN, que recebeu R$ 25,2 milhões antes mesmo de entregar a mercadoria. O contrato foi firmado por meio de dispensa de licitação, justificada pela urgência da pandemia do novo coronavírus. Quando os respiradores foram entregues, no entanto, descobriu-se que mais de 100 deles eram de um modelo diferente que não serviam para o tratamento da Covid-19. Helder Barbalho afirma que esses equipamentos foram devolvidos à empresa, que reembolsou R$ 25 milhões sem que o governo cometesse nenhuma irregularidade.

Ainda assim, a Polícia Federal solicitou que o governador, o ex-secretário de Saúde Alberto Beltrame e outras seis pessoas fossem indiciadas. Em novembro, o Ministério Público do Pará pediu o afastamento liminar do governador em razão da compra dos respiradores. Em ação de improbidade administrativa, o procurador-geral de Justiça Gilberto Valente Martins apontou existência de ‘prática de corrupção sistêmica’ na gestão de Helder Barbalho, que teria ‘ingerência direta’ nos esquemas. A ação foi ajuizada na 1ª Vara de Fazenda de Belém.

*Com informações do Estadão Conteúdo