O senador Ciro Nogueira (PP-PI) assegurou nesta quarta-feira, 24, que o Centrão apoiará a campanha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à reeleição em 2021. O presidente nacional do Progressistas fez críticas à postura do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e disse discordar de alguns posicionamentos do presidente no combate à pandemia do coronavírus, mas também fez elogios a medidas adotadas pelo governo federal. “De forma nenhuma”, respondeu o senador sobre o Centrão estar desalinhado com o presidente Bolsonaro. “Nós já declaramos que estaremos com o presidente nas eleições do próximo ano, estamos totalmente engajados para que o mandato do presidente der certo”, assegurou o senador em entrevista ao Jornal da Manhã. Porém, ressaltou que há discordâncias: “Nós temos divergências”. “Nós somos parlamentares, temos representantes de uma população que vive em um país continental. Então não existe nenhum tipo de subserviência”, afirmou Nogueira.

O parlamentar apontou que, quando achar que o presidente acertou, será o primeiro a aplaudir. “E acho que o presidente tem acertado muito. Nunca nós tivemos um governo federal que desse tanto suporte à população como o que nós tivemos ano passado”, completou. Sobre as medidas positivas, o senador citou o auxílio emergencial, o auxílio às empresas e aos municípios e Estados. “Nunca tivemos [esse suporte] na história”, disse. No entanto, ressaltou que a situação que o País vive também é inédito. “Também nunca tivemos nada parecido [com a pandemia]. Mas um suporte tão grande a nossa rede hospitalar, criação de leitos de UTI, foi muito importante.” Ciro Nogueira também elogiou o pronunciamento do presidente na noite de terça-feira, 23. “O pronunciamento do presidente foi muito importante. Não vejo outra alternativa para o país e para o mundo a não ser a imunização da população. Só dessa forma iremos vencer esta pandemia. Eu acredito que agora com a chegada do novo ministro experiente, um homem muito gabaritado para essa função, nós iremos ter uma resposta rápida do governo federal para que a população seja o mais rapidamente imunizada.”

Em seguida, o senador teceu algumas críticas à postura do presidente. “A respeito da questão de vacina, do distanciamento social e utilização de máscara, eu sempre fui crítico dessa situação. Agora vemos que nós temos razão, tanto que o o presidente está com essa conduta [de adotar medidas preventivas]. Acho que isso é importante, é um exemplo que ele dá para que as pessoas possam se precaver nesse momento de tanta dificuldade”, concluiu. Nogueira também se mostrou descontente com a atuação do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. “Eu sou critico feroz do Ministério das Relações Exteriores. Acho que a conduta tem que mudar rapidamente. O ministério, nesse momento da pandemia, não ajudou o país”, afirmou.

Ele apontou que o Brasil foi o único país continental que não produziu a própria vacina, já que Estados Unidos, Rússia e China fizeram. “Então nós tínhamos que ter um Ministério das Relações Exteriores mais proativo que nos ajudasse nessas tratativas para adquirir vacinas para o nosso país. E pasta, principalmente com a sua postura contra a China, não ajudou. Eu até chego ao ponto de dizer que atrapalhou”. O presidente dos Progressistas ressaltou que questões ideológicas não podem afetar as relações internacionais brasileiros. “O país tem tudo para ser um grande celeiro mundial de alimentos, mas também tem que haver a contrapartida. Esse era o momento importante de nós recebermos um tratamento diferenciado dos países, principalmente esses que produzem vacina”, lamentou. O ministro tem encontro marcado nesta quarta-feira com o Senado Federal. “Espero que o ministro hoje utilize esse passo para dar as suas explicações. Existe sempre a expectativa de mudança de postura da pasta”, acrescentou.

Ainda nesta quarta, o presidente Jair Bolsonaro reúne, no Palácio da Alvorada, os presidentes da Câmara e Senado, do Supremo Tribunal Federal (STF), ministros e alguns governadores mais alinhados ao governo para debater medidas de combate à Covid-19. “Defendo isso desde o início desse mês, que haja esse encontro. Acho fundamental a união nacional por essa situação que nós estamos vivendo”, disse. “Não é o momento de buscar culpados, é o momento de buscarmos solução para a população. Espero que hoje dê um norte para o nosso país.” Em relação ao papel do Senado neste momento, Ciro Nogueira acredita que as reformas são o pontapé inicial. “Nós temos que ter urgentemente começar a discutir a reforma administrativa, a reforma tributária. Nós temos que ter algumas privatizações para tornar nosso Estado mais enxuto e para qu, logo após a pandemia, nós tenhamos rapidamente uma retomada econômica”, apontou.