O mercado financeiro brasileiro abriu nesta quarta-feira, 14, seguindo o otimismo internacional com a temporada de balanços corporativos e indícios de forte recuperação da economia dos Estados Unidos. No cenário doméstico, o humor é pressionado pela abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e o alongamento dos entraves para a aprovação do Orçamento de 2021. Por volta das 12h20, o dólar operava com queda de 0,48%, a R$ 5,690 após bater máxima de R$ 5,736 e mínima de R$ 5,671. O câmbio fechou na véspera com leve baixa de 0,08%, cotado a R$ 5,717. O bom humor nos mercados internacionais dá impulso aos negócios domésticos e faz o Ibovespa, referência da B3, registrar alta de 0,85%, aos 120.312 pontos. O pregão desta terça-feira, 13, fechou com alta de 0,41%, totalizando 119.297 pontos, o melhor desempenho desde fevereiro.

A euforia internacional é reflexo da onda de balanços de empresas e a expectativa de recuperação após o choque do novo coronavírus. Os investidores também analisam a alta de 0,6% da inflação dos EUA em março, acima do esperado pelo mercado. O índice apresenta avanço de 2,6% ao registrado em março de 2020, a maior diferença na comparação anual desde agosto de 2018. Já no noticiário local, o mercado segue analisando a implementação da CPI da Covid-19 pelo Senado nesta terça-feira. O texto lido pelo presidente Rodrigo Pachego (DEM-MG) determinou a investigação das ações do governo federal durante a pandemia, além de averiguar o repasse de verbas da União aos Estados e municípios. A demora para a definição do Orçamento de 2021 também pesa no humor dos investidores. O governo estuda a criação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para autorizar gastos extraordinários de combate à pandemia fora do teto de gastos. Segundo uma minuta obtida pela Jovem Pan, a medida prevê até R$ 35 bilhões de recursos extras. Já fontes ligadas ao governo afirmam que o valor deve ser de aproximadamente R$ 15 bilhões.