A Dinamarca se tornou o primeiro país da Europa a suspender completamente o uso da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Em comunicado, o diretor-geral da Autoridade de Saúde Dinamarquesa, Soren Brostom, disse que a decisão foi difícil, mas que o país está com a pandemia sob controle e dispõe de outras vacinas para aplicar na população, fazendo referência aos imunizantes da Moderna e da PfizerBioNTech. Ainda assim, a campanha deve atrasar em várias semanas. “Devemos pesar isso contra o fato de que agora temos um risco conhecido de efeitos adversos graves da vacinação com AstraZeneca, mesmo que o risco em termos absolutos seja pequeno”, completou. Pelo menos 150 mil pessoas já tinham recebido o imunizante na Dinamarca, que vai tirar de circulação 2,4 milhões de doses da vacina até novo aviso.

No dia 7, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) manteve a sua recomendação de uso da vacina de Oxford. A entidade reconheceu a existência de “uma possível ligação” entre o imunizante e casos de trombose reportados em vários países do continente, mas considerou que se trata de um efeito colateral “muito raro” e que o balanço entre riscos e benefícios permanece positivo. Ainda assim, diversas nações decidiram interromper a aplicação do imunizante em adultos, que pertencem à faixa etária onde os casos raros de coágulos sanguíneos são mais recorrentes.

Johnson & Johnson

Nesta terça-feira, 13, os Estados Unidos, o Canadá e a União Europeia suspenderam o uso da vacina contra Covid-19 da Johnson & Johnson por motivos semelhantes. Os Estados Unidos reportaram que seis pessoas desenvolveram problemas de coágulos sanguíneos duas semanas depois de receberem o imunizante, que é aplicado em uma dose única. Em um comunicado à imprensa, a Johnson & Johnson afirmou estar ciente do problema. “Estamos cientes de que eventos tromboembólicos, incluindo aqueles com trombocitopenia, foram relatados com as vacinas Covid-19. No momento, nenhuma relação causal clara foi estabelecida entre esses eventos raros e a vacina Janssen”, afirmou. Tanto a vacina da AstraZeneca quanto a da Johnson & Johnson funcionam por um método semelhante, conhecido como vetores adenovirais.