Com UTIs praticamente lotadas e com fila de espera para os leitos, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decretou toque de recolher das 22h às 5h. A média diária de mortos aumento 70% nos últimos 14 dias. Até por conta disso, o governo está anunciando a reativação de leitos de UTI. A promessa, segundo o secretário-chefe da Casa Civil do DF, Gustavo Rocha, é endurecer a fiscalização nos horários onde as aglomerações acontecem em festas clandestinas de Brasília. “Você vê muita gente sem mascara, que não faz higienização das mãos de forma adequada, muita gente que continua nas suas aglomerações. Não raro a gente encontra festas e aglomerações. E os órgãos de controle estão com uma fiscalização muito severa.”

Ontem o governo local autorizou o retorno das aulas nas escolas particulares e o funcionamento das academias. A justificativa é que, nesses locais, a contaminação seria pequena. O secretário afirma que a taxa só vai diminuir, na verdade, quando houver a conscientização da população. E que o governo local não descarta medidas mais duras se a transmissão da doença não diminuir. Do outro lado da cidade, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar as medidas restritivas de fechamento do comercio. Ele deixou bem claro que não vai adotar a politica de lockdown, como tem sido pedido por secretários de saúde. Os estados e municípios afirmam que uma medida nacional daria peso maior nas decisões que estão sendo tomadas individualmente por governadores e prefeitos.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin