Os cientistas já comprovaram que a higienização correta das mãos, com água e sabão ou álcool em gel, ajuda a eliminar o coronavírus. A máscara reduz o risco de transmissão da doença. Assim como manter o distanciamento de, no mínimo, um metro e meio das outras pessoas também diminui as chances de contaminação. Mas, para que esses cuidados realmente sejam eficazes, é preciso que cada um faça a sua parte. Por isso, empresas têm se esforçado para conscientizar clientes e colaboradores. Na Smart Fit, por exemplo, é feito o monitoramento de quem entra e quem sai da academia. Além disso, todos são orientados a seguir os protocolos de limpeza e biossegurança, que incluem reforço nos processos de higienização, uso da máscara e distanciamento.

A enfermeira Anna Luiza Gryschek , que é professora do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da USP e participou da criação dos protocolos de biossegurança, explica que, quanto mais os alunos e funcionários se comprometem com as ações, menor o risco de contaminação. “As práticas de biossegurança descritas nos nossos protocolos, elas baseiam-se em estudos nacionais e internacionais. Os alunos que desejarem retornar à sua prática na academia para realizar seus exercícios físicos, observando o protocolo criado por nós, certamente poderão realizar sua prática esportiva de uma maneira bem mais segura, minimizando em muito a possibilidade de adquirirem o vírus SARS-COV-2, causador da Covid-19“.

Atenta às normas sanitárias, a aluna Ester Coschitz sempre higieniza as mãos e os aparelhos que usa nos treinos. “Sempre que a gente chega na academia, eles olham o horário que está agendado e medem a sua temperatura. Antes de entrar na unidade é obrigatório você passar álcool em gel nas mãos. Eles sempre olham se você está com máscara ou não. Isso acaba me deixando mais tranquila”. Como gosta de combinar musculação com exercícios de cardio, como a corrida, o Rafael Lobo segue à risca as orientações dos professores para que a máscara seja mais confortável. “O professor orienta que a gente faça maiores pausas, se for o caso de fadiga, que com o tempo você vai aumentando a intensidade e vai se acostumando com a máscara. Eu acho que as medidas de segurança, de desativar alguns equipamentos e diminuir o número de alunos foi essencial para esse momento, para que pudesse fazer com toda a segurança”, disse.

A Ester e o Rafael são exemplos de que, com cuidado e responsabilidade, é possível retomar a rotina de exercícios com segurança. Lembre-se que praticar atividade física regularmente é fundamental para a qualidade de vida. Tá Explicado?