O sistema de saúde da capital fluminense está perto do colapso. Com 96% das unidades de terapia intensiva (UTIs) ocupadas, a Prefeitura do Rio de Janeiro tenta negociar, com o governo federal e estadual, a interrupção no recebimento de pacientes do Norte do país para os hospitais da cidade. O objetivo da ação é evitar a saturação da rede de saúde, que contabiliza 900 pacientes internados. Até o momento, a capital carioca não registra filas para internações. Mesmo assim, o Executivo Municipal já trabalha para adicionar 100 novos leitos nos hospitais, medida que busca reduzir as taxas de ocupação.

Além de ampliar as vagas e interromper o recebimento de pacientes de outras regiões, o Rio de Janeiro também ampliou as restrições sanitárias e aplicou quase mil multas no final de semana por desrespeito às medidas de enfrentamento à pandemia. Embora seja considerada uma ação preventiva, os números na capital fluminense já justificam a adoção das novas proibições de circulação. Até o momento, o Rio já imunizou mais de 420 mil pessoas contra a Covid-19 e tem disponível doses em estoque para vacinação até a próxima quinta-feira, 11. Caso novos lotes dos imunizantes não sejam recebidos, o calendário fluminense poderá ser novamente comprometido.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga