A China superou os Estados Unidos e se tornou o país que mais aplicou vacinas contra a Covid-19 nesta terça-feira, 27. De acordo com os dados levantados pela Our World in Data, ligada à Universidade de Oxford, a nação asiática administrou 243 milhões de doses, contra 234 milhões do governo norte-americano. O ranking continua com a Índia (147 milhões), o Reino Unido (47,5 milhões) e o Brasil (40,5 milhões). A ultrapassagem acontece em um momento em que o ritmo da campanha de imunização dos Estados Unidos vem diminuindo nas últimas semanas. Segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o país aplicou cerca de 2,8 milhões de doses por dia na última semana, sendo que no início do mês essa média era de aproximadamente 3,2 milhões. A lentidão parece estar sendo causada principalmente por um baixo interesse entre a faixa etária mais jovem, que é agora o público-alvo da campanha. Porém, o jornal norte-americano The Washington Post também apontou que a questão pode estar relacionada à desconfiança com a vacina da Johnson & Johnson, cujo uso chegou a ser temporariamente suspenso nos Estados Unidos após casos de trombose. Enquanto isso, a China conseguiu acelerar a sua própria campanha de imunização e foi de 2,32 milhões doses aplicadas no dia 18 para um recorde de 7,93 milhões na última quarta-feira, 28.

No entanto, é importante levar em consideração os dados da vacinação proporcional, que relaciona o número de doses aplicadas com a população de cada país. Nesse caso, a China continua bem atrás dos Estados Unidos. O país mais populoso do mundo administrou 17 doses a cada 100 habitantes, enquanto no território norte-americano essa proporção é de 70 para 100. Esse ranking é liderado por nações com populações comparativamente menores: o primeiro lugar é ocupado pelas Ilhas Seychelles, seguidas de Israel, Emirados Árabes, San Marino e Chile.