Mesmo com o ritmo acelerado da vacinação contra a Covid-19, o Chile vivencia um alto número de contaminações. Por isso, o governo determinou que Santiago entrará em um novo lockdown. A partir de amanhã, bares e restaurantes não poderão atender clientes e as aulas presenciais estarão suspensas. Estarão proibidas reuniões sociais, com exceção de funerais e cerimônias religiosas. A capital também estará sob toque de recolher entre as 22 horas e as 5 horas da manhã do dia seguinte. Horários para atividades físicas ao ar livre foram restringidos. Farmácias e mercados continuarão atendendo presencialmente.

Segundo a universidade Johns Hopkins, que tem monitorado dados internacionais da Covid-19, o Chile tem uma média móvel de 7 mil novos casos e 100 óbitos diários. O número de mortes, no entanto, não apresentou grandes alterações nos últimos dias. A estimativa é de que 45% da população chilena está totalmente imunizada, com as duas doses. A maior parte das vacinas utilizadas por lá é a da CoronaVac. Um estudo recente, realizado aqui no Brasil, na cidade de Serrana, mostrou que o imunizante só consegue controlar o vírus com 75% da população adulta vacinada. Este é o segundo lockdown mesmo depois da vacinação. Em março, as autoridades voltaram a adotar medidas restritivas para conter o avanço da doença.

*Com informações da repórter Camila Yunes