A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 11, um projeto de lei que pune com prisão e multa aqueles que “furarem a fila” da vacinação contra a Covid-19 no Brasil. O PL tipifica os crimes de “infração de plano de imunização, peculato de vacinas, bens medicinais ou terapêuticos e corrupção em plano de imunização” e não é específico para as vacinas contra o coronavírus, podendo ser aplicado para outros imunizantes. As penas podem variar entre 3 a 13 anos, com pagamento de multa não especificada até o momento. No caso de funcionários públicos que deixem de tomar providências para apurar o crime, falsifiquem atestados, declarações, certidões ou outro tipo de documento, a pena pode ser acrescida em um terço.

Além do projeto aprovado nesta quinta, que foi apresentado pelo deputado Rodolfo (PL-PE), outros 17 PLs com punição para aqueles que furassem a fila tramitavam na casa legislativa. Agora, a proposta deve seguir para votação no Senado. A vacinação no Brasil foi iniciada no dia 17 de janeiro e no fim do mesmo mês pelo menos 10 estados do país e o Distrito Federal já tinham aberto investigação em busca de pessoas que burlaram as regras para se vacinar antes de todos. Entre os casos analisados pelo Ministério Público estavam o do fotógrafo de uma prefeitura no interior de Pernambuco e o de duas médicas de Manaus, nomeadas menos de uma semana antes do início da imunização.