O presidente Jair Bolsonaro chamou o governador do Piauí, Wellington Dias, de demagogo por críticas à demora na retomada do auxílio emergencial. Em vídeo, Wellington Dias discordou do valor prometido pelo governo para a nova rodada do benefício. “É claro que a fome chegou. A fome não tira férias, não estava de férias em janeiro, fevereiro e março. E as pessoas não ficaram só com fome. Elas ficaram sem dinheiro para comprar um remédio, suas necessidades básicas.”

Na live semanal, Bolsonaro afirmou que o petista está tirando empregos dos piauienses e deve ser responsabilizado. “Serão mais R$ 44 bilhões que o governo está se endividando. Então, Wellington Dias, você poderia criar um complemento ao auxilio emergencial. A gente dá R$ 250, você dá mais R$ 350 e chega nos R$ 600.” Bolsonaro voltou a criticar as medidas de lockdown impostas por Estados e municípios. “Alguns governadores, alguns prefeitos estão baixando decreto com poder mais restritivo que estado de sítio. Esse excesso de poder, isso não dá para a gente admitir.”

Segundo Bolsonaro, o auxílio emergencial é apenas um “quebra-galho” que não pode contribuir para desequilibrar ainda mais a economia. “A gente sabe que recursos são pequenos, ninguém está negando isso. Mas pelo volume de pessoas, invisíveis, informais, ajuda. A gente sabe que ajuda, é um quebra-galho que o governo pode fazer.” Após um problema no sistema, beneficiários do auxílio emergencial poderão conferir a partir desta sexta-feira, 2, se estão aptos a receber as novas parcelas de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375. A consulta pode ser feita nos sites do Ministério da Cidadania, da Dataprev e da Caixa Econômica Federal. Os pagamentos começam na terça-feira, dia 6.

*Com informações da repórter Letícia Santini