A CPI da Covid-19 inicia, nesta terça-feira, 4, a fase de investigação das ações e omissões do governo do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, com uma agenda repleta de depoimentos. O primeiro a ser ouvido pelos senadores é o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, desafeto político do Palácio do Planalto. Ainda na sessão de hoje, está prevista a oitiva de Nelson Teich, que comandou a pasta por menos de um mês. Até o final desta semana, o colegiado vai ouvir o ex-ministro Eduardo Pazuello, principal alvo da comissão, o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres.

Mandetta deixou o Ministério da Saúde em abril de 2020, no início da crise sanitária no país, após um embate com Bolsonaro sobre as medidas de isolamento social e o uso de medicamentos sem eficácia no tratamento da Covid-19. Segundo apurou a Jovem Pan, o chamado G7, grupo formado pela maioria dos integrantes da CPI, vai questionar o ex-ministro se houve interferência do presidente da República nas diretrizes apontadas pela pasta. Os governistas, porém, pretendem questionar orientações dadas à época pela equipe ministerial, entre elas a de que as pessoas só deveriam procurar atendimento médico em caso de falta de ar – o objetivo era evitar a sobrecarga do sistema de saúde – e por que não foram adotadas barreiras sanitárias contra a doença. A tropa de choque do governo no Senado tem sido municiada com perguntas que devem ser feitas aos depoentes – a força-tarefa conta com a atuação direta de ministros da ala política da Esplanada. Acompanhe a cobertura abaixo:


10:21 – Começa a sessão da CPI da Covid-19 

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), deu início à sessão desta terça-feira, 4. Os senadores irão ouvir o depoimento do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. Saiba o que esperar da oitiva do ex-chefe do Ministério da Saúde.