Às vésperas do feriado da Consciência Negra, comemorado nesta sexta-feira, 20, uma notícia chocou as redes sociais. Um homem negro, identificado como João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, morreu após ser espancado na porta do supermercado Carrefour, no bairro Passo D’Areia, na zona norte de Porto Alegre. De acordo com informações iniciais, João teria se envolvido em uma discussão com uma funcionária do caixa e três seguranças foram acionados. Segundo a Brigada Militar, o homem foi levado para o estacionamento e espancado. O caso ganhou repercussão na noite desta quinta e, nesta sexta, a rede de supermercados se posicionou por meio de nota informando que a loja onde aconteceu o caso será fechada. “O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada”.

A nota que classifica a morte como “brutal” diz ainda que a empresa está em contato com a família de João Alberto “para dar o suporte necessário”. “O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento desde inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que acontece e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais”, finaliza a nota. Membro da torcida organizada Os Farrapos de São José, João Alberto, teria pedido socorro durante a agressão. “Beto clamava por socorro e pedia para respirar pois estavam trancando a respiração dele com os joelhos nas costas, bem na parte dos pulmões, infelizmente não resistiu a parada respiratória e acabou falecendo”, escreveu a torcida em suas redes sociais. Três pessoas foram presas. De acordo com o delegado Leandro Bodoia, que atende a ocorrência, os envolvidos e testemunhas ainda serão ouvidos e imagens das câmeras de seguranças serão analisadas.