O professor Olavo de Carvalho usou o Twitter na madrugada desta terça-feira, 17, para responder e criticar o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que por sua vez tinha rebatido uma publicação do filósofo criticando o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que deu entrevista criticando Jair Bolsonaro e integrantes do governo, alegando que eles dividiam tudo em “termos de direita e esquerda”. “Por que você nunca disse isso aos comunistas, Santos Cruz? Eles não são binários? Eles não combatem a direita? Ou você, inocente como um recém-nascido, não sabia? Diga logo de que lado está, em vez de bater num lado só enquanto se faz de neutro. Seja homem”, disse Olavo.

Em resposta, Moro citou a mensagem do filósofo e rebateu: “General Santos Cruz é general de divisão do Exército, com várias condecorações. Comandou forças da ONU no Haiti e no Congo. Atuou em conflitos reais e não imaginários. É muito mais corajoso do que aqueles que usam as redes para atacar de longe a honra de pessoas do bem e das Forças Armadas”, criticou. Olavo, então, questionou. “Atacar de longe? Você é mesmo analfabeto, Sérgio Moro? A distância de mim ao Santos Cruz não é a mesma dele a mim?”. Ironicamente, ele se ofereceu, ainda, a pagar uma passagem de avião ao ex-juiz para “se quiser me ofender cara a cara” e, chamando-o de “moleque”, afirmou que não tem as mesmas estruturas do general para se defender de ameaças de morte.

“O general comandante de uma força de paz está mil vezes mais protegido do que um escritor que, sozinho e desarmado durante décadas, enfrenta milhares de comunistas que o ameaçam de morte”, afirmou. Em seguida, Olavo voltou a criticar Santos Cruz afirmando que ele usa “material difamatório” nas redes sociais. Ele afirmou também que estava sob intervenção de censura por não conseguir mais publicar vídeos na conta dele do YouTube. Por causa disso, os termos “Olavo” e “ditadura” ficaram na lista dos mais comentados na rede social nesta terça.