O mercado de motos ganhou impulso com as entregas na pandemia do coronavírus. No entanto, a forte demanda não encontra produção compatível em razão do novo normal nas fábricas, explica o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian. “A procura por motocicletas continua aquecida e o nível de produção está limitada devido as adaptações realizadas para atender os protocolos e as medidas sanitárias recomendadas pelos órgãos de saúde, como o distanciamento entre os funcionários. As possibilidade de equilibrar a oferta e demanda são remotas. Para elevar a produção será necessário ter o controle da pandemia e, nesse sentido, a chegada da vacina será essencial.”

As fabricantes de motocicletas instaladas em Manaus produziram 90 mil unidades em outubro. A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares registra queda de 13,5%, na comparação com setembro e recuo de 16,7%; sobre o mesmo mês do ano passado. No acumulado de janeiro a outubro foram produzidas 784 mil motos, queda de 17% sobre 2019. A Abraciclo avalia que o setor deve fechar 2020 com 937 mil motos produzidas, queda de 15,5%.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos