A batalha dos aplicativos de entrega deixou o âmbito econômico para ganhar espaço nos tribunais. Na última quarta-feira 11, VEJA noticiou que a Rappi, entregou uma denúncia ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, por suposta prática anticompetitiva de sua principal concorrente no Brasil, o iFood. O processo corre em sigilo desde o início de novembro e é motivado sobretudo pelos contratos de exclusividade firmados com diversos restaurantes. É importante ressaltar que a prática é comum entre os players do segmento – algo que acontece, inclusive, em outros países – e o próprio Rappi também pratica. Mas, como o mercado recebeu diversos novos competidores, os acordos de exclusividade firmados nos últimos anos pelo iFood poderiam, com a sua posição de liderança no mercado, trazer prejuízos do ponto de vista do consumidor.

O contrato de exclusividade dá benefícios aos restaurantes como menores taxas de venda e entrega, além de posição de destaque nas visualizações dentro da plataforma de entrega. Como o iFood começou a operar no Brasil em 2011 e reinou por muitos anos sozinho neste setor, ele, em dado momento, ofereceu benefícios em troca de ter o cardápio exclusivo de vários dos principais estabelecimentos sobretudo nas capitais Rio de Janeiro e São Paulo. Hoje, no entanto, há donos de bares e restaurantes que se dizem “reféns” dessa estratégia. “Eu acho que alguém tinha de protestar mesmo. Essa situação está muito ruim para todo mundo. Há dois elos da cadeia escravizados: os restaurantes, que se abraçaram a essas margens do iFood, e os motoboys, que são precarizados nessa situação”, diz uma fonte do mercado que prefere não se identificar. “O Cade deveria ter feito alguma coisa antes, quando eles saíram consolidando o mercado e comprando dezenas de empresas.”

Para driblar os aplicativos e marcar presença em mais de uma plataforma, alguns estabelecimentos adotam uma prática tão inteligente como suicida: trabalham com cardápios distintos para serviços de entrega diferentes. Outros preferem não aceitar o contrato de exclusividade sob risco de serem penalizados com pouca visibilidade. Há quem diga que valha a pena ter um parceiro-fiel. “Nós somos parceiros exclusivos do iFood. Fizemos essa escolha, mas não existe nenhuma obrigatoriedade nesse sentido”, diz Afrânio Barreira, dono da rede especializada em frutos do mar Coco Bambu. “Entendo que quando o parceiro é exclusivo ele acaba tendo mais vantagens. É uma prática normal de mercado. Hoje, para nós, essa estratégia faz sentido. Desenvolvemos um app próprio, mas que ainda não tem um volume significativo. Com o iFood, conseguimos entregar para mais pessoas”, complementa.

BOAS VENDAS? – Mensagem do iFood aos restaurantes em maio: em plena pandemia, empresa revisou suas taxas de entrega para cima –Reprodução/Reprodução

Outra reclamação comum no mercado é acerca das taxas cobradas aos restaurantes. Líder de mercado, com cerca de 75% de participação em tráfego de usuários, o iFood cobra em torno de 27% sobre o valor dos pedidos realizados pela plataforma, porcentagem que pode variar e que a empresa não confirma oficialmente. “São cifras exorbitantes. Mas quem é o número 1 do mercado acaba colocando a taxa lá em cima para ditar a regra do jogo. No início, o iFood cobrava uma taxa simbólica de 6%”, diz um empresário do mercado, que já foi franqueado de algumas redes de alimentação e vendia pelo aplicativo. Hoje, o sistema de entregas Uber Eats aparece como segundo principal player, com uma fatia de 15% do mercado. A Rappi, unicórnio de origem colombiana, por sua vez, tem 7% e sofre para ganhar escala no mercado de restaurantes no Brasil — ela lidera em entregas de compras de mercados e farmácias. Em 2019, a empresa recebeu um aporte de 1 bilhão de dólares por parte do fundo japonês SoftBank. Recentemente, em setembro, mais 300 milhões de dólares foram levantados com outros fundos. A injeção de capital tem sido usada para ampliar as suas linhas de atuação no país.

Um investidor importante para o desenvolvimento do mercado no Brasil indica que o Cade deva avaliar se há, por exemplo, dumping por trás da atuação do iFood no Brasil. Ao cobrar mais de restaurantes, sobretudo daqueles que não têm um contrato de exclusividade, a empresa fica livre para queimar caixa com ações promocionais aos clientes e campanhas de marketing agressivas. “As taxas do mercado não precisam ser tão abusivas. O iFood, principalmente, cobra a mais dos restaurantes para depois colocar a oferta abaixo do preço de custo para o consumidor ou para o motoboy. Eu entendo a frustração da Rappi. Fica difícil competir assim”, diz.

Continua após a publicidade

Não à toa, a maior rede de alimentação rápida do mundo se incomodou. O McDonald’s iniciou negociações recentemente com a 4all para desenvolver uma nova plataforma de delivery em ação conjunta com outros donos de restaurantes. A ideia é mitigar a dependência existente na relação com os apps. Se antes a receita dos restaurantes por meio do delivery era marginal, hoje, com a pandemia do novo coronavírus, tornou-se crucial para os resultados. Quando os estabelecimentos foram fechados em todo o país para se evitar a aglomeração de clientes, os aplicativos garantiram demanda para as cozinhas. Por outro lado, os donos dos espaços viram suas margens serem comprimidas. A conta começou a ficar salgada, apesar de o iFood ter feito algumas ações como zerar a comissão para alguns produtos e medidas de auxílio de 180 milhões de reais para restaurantes sobreviverem nos priores momentos da crise. Fora as questões de taxas e exclusividade, donos de restaurantes querem ter maior conhecimento do perfil de seu cliente na plataforma. Esses dados, atualmente, são exclusivos do aplicativo de entrega.

A seu favor, o iFood conta, na investigação que pode correr no Cade, com o fato de o órgão de controle da concorrência já ter tratado de caso semelhante contra a empresa em 2018. Nenhuma mudança em seu modelo de negócios foi pedida e, desde então, nenhuma grande alteração foi feita pela empresa que justificaria uma decisão diferente desta vez. Além disso, o Cade não deve investigar se o iFood alcançou posição de muita liderança no segmento — algo que o app conseguiu principalmente por meio de crescimento orgânico –, mas se estaria abusando dessa posição ou se estivesse comprando rivais para impedir que crescessem. A empresa também não estaria tornando impossível a expansão de rivais, uma vez que todo o setor experimentou forte crescimento de receitas durante a pandemia.

Novos players

O mercado tende só a ficar cada vez mais competitivo, com a chegada de empresas ainda maiores do que o iFood. Além de McDonald’s, demonstram interesse pelo nicho de atuação o Google e a Magazine Luiza. Algo que deverá ficar claro em 2021. O McDonald’s, a despeito de seu tamanho, pode ter mais dificuldades ou menos interesse de se expandir nesse campo, uma vez que teria de investir muito em marketing para ganhar tração em um mercado que o iFood já domina. O que tende a ser revolucionário, entretanto, é a entrada de gigantes do varejo eletrônico brasileiro nas entregas de alimentos. É o caso, por exemplo, do Magazine Luiza, que comprou a plataforma paranaense AiQFome em setembro. O valor envolvido no negócio não foi revelado, mas a startup de delivery já tem presença em 350 cidades, a maioria pelo interior dos estados, 2 milhões de clientes e cerca de 20.000 restaurantes cadastrados, movimentando algo em torno de 700 milhões de reais ao ano. O Grupo Pão de Açúcar, por sua vez, chamou atenção ao comprar a plataforma James Delivery, em 2018, numa estratégia para competir com a própria Rappi nas entregas a partir dos supermercados. Quem não tem feito muito barulho, mas tem um potencial para ocupar uma fatia considerável do mercado é as Lojas Americanas, que lançou o Americanas Mercado em julho. “Há uma corrida das grandes empresas para se tornarem superapps e venderem de tudo, tendo controle de toda a cadeia. Isso pode fazer com que o mercado se autorregule”, aponta o especialista em comércio eletrônico Pedro Guasti, cofundador da agência de pesquisas Ebit.

Temerosa com os rumos do mercado, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, a Abrasel, trabalha na criação de um sistema aberto do mercado. Paulo Solmucci, presidente da entidade, chama o projeto ainda em fase embrionária de “Open Delivery”. “É como o ‘open banking’. Os restaurantes vão usar essa plataforma para subir suas informações, como cardápio. E os aplicativos de entrega poderão consultar esses dados e fechar um acordo. É importante ressaltar que não é uma plataforma ou um aplicativo de entregas nosso”, diz. “A ideia é que a governança desse sistema esteja sob comando da Abrasel. Já conversamos com o Banco Central, com o Cade e o Ministério da Economia. Todos estão preocupados para que esse mercado seja mais competitivo e interoperável. Devemos ter um código aberto, que aumente a concorrência e facilite a entrada de pequenos estabelecimentos nesse mercado”, reforça. O projeto ainda não tem data para ganhar vida, mas vários varejistas e desenvolvedores de softwares estão em contato com a Abrasel. A princípio, o sistema funcionaria no modelo B2B (empresa para empresa).

O setor também olha com curiosidade as movimentações do Google. As redes de shopping center Multiplan e BRF Malls anunciaram, em agosto, que a empresa na qual são sócias Delivery Center estariam participando da plataforma Google Food Ordering. Trata-se de um serviço de entregas de refeições para os usuários da busca do Google. Se a disputa no mercado promete ser cada vez mais competitiva, o consumidor deve ser beneficiado.

Continua após a publicidade