O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, pretende pautar para depois das eleições municipais uma ação que tenta impugnar a chapa do presidente eleito Jair Bolsonaro e o vice-presidente eleito Hamilton Mourão por suspeitas de irregularidades na campanha de 2018. Segundo Luís Roberto Barroso, ao menos três recursos que foram apresentados ao TSE estão pendentes — sendo que dois sequer foram apreciados pela corregedoria do Tribunal. O terceiro já foi liberado e deve ser votado e julgado até o fim de 2021.

Luís Roberto Barroso deu detalhes. Ao ser questionado em uma conferência com correspondentes estrangeiros na quinta-feira (12) sobre qual seria o recurso mais turbulento, ele afirmou que em tese é o que aponta suposta ligação entre a chapa eleita a empresas privadas — que teriam feito disparos em massa de mensagens nas redes sociais. Esses disparos foram feitos a favor da chapa e, principalmente, contra opositores de Bolsonaro e Mourão.

Barroso destacou ainda que não pautou o julgamento da matéria por considerá-la sensível e para evitar instabilidades no período pré-eleitoral. Ele adicionou que o TSE não deve ser visto como terceiro turno das eleições e que os julgamentos na Corte se baseiam exclusivamente em questões jurídicas e provas dos autos. Segundo ele, uma autoridade do governo federal recentemente perguntou a ele se o presidente Bolsonaro deveria se preocupar com o julgamento no TSE. Barroso disse que respondeu da seguinte forma: “Deve se preocupar só se o presidente fez alguma coisa errada.”

*Com informações do repórter Rodrigo Viga