Os títulos, emitidos de acordo com venda de biocombustíveis, já tiveram cerca 12,3 milhões de registros, mas 7,2 milhões parecem ter se perdido no caminho para a B3, onde são vendidos às distribuidoras de combustíveis.

No Renovabio, a empresas têm como meta a compra compulsória de 14,9 milhões de papeis até o fim de 2020. Já quem vende o combustível aos distribuidores e emite os títulos, os produtores de biocombustíveis, tem a liberdade de registrar os Cbios na bolsa no momento que mais for conveniente.

Com a falta de títulos no mercado, apenas 49% da meta do programa foi cumprida. A praticamente dois meses da linha de chegada, com distribuidoras ávidas por créditos de descarbonização, será que os preços vão subir?

Até agora, a lei da oferta (artificial) e demanda (determinada pelo governo) já provoca alta. Os valores dos créditos de descarbonização, que começaram na casa dos 20 reais, hoje, já são vendidos por mais de 60 reais.

Continua após a publicidade