A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começou a investigar e pesquisar vários animais para saber se são condutores da Covid-19 ou se podem ser a origem da doença. Essas investigações já começaram e não tem prazo para terminar. Os primeiros bichos analisados são gatos, cachorros e morcegos. O objetivo é saber se eles podem ser vetores da doença ou, se eventualmente, podem ser a causa do coronavírus. Pesquisadores e cientistas querem, também, ampliar o leque de animais investigados e, muito em breve, vão fazer pesquisas com cavalos, vacas, bois, cobras, roedores, entre outros.

Estudos internacionais apontam que países emergentes tem 70% das doenças com origem em animais. Essa é uma suspeita que ronda também a Covid-19. Outro objetivo é saber se os animais tem uma blindagem contra o coronavírus e se existe a possibilidade de alguns pegarem a doença e transmitir para humanos. No Rio de Janeiro, a fronteira de 20 mil óbitos já foi ultrapassada. Quase 300 mil pessoas tiveram o diagnóstico positivo. O Rio de Janeiro já teve mais vítimas confirmadas que a Alemanha, o Canadá, a Turquia e o Chile.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga