Rogério Ceni demonstrou certo abalo com a eliminação nos pênaltis do Fortaleza para o São Paulo, na noite do último domingo, 25, em confronto válido pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Ainda assim, o treinador do Leão do Pici afirmou que estava orgulhoso de seus comandados e exaltou o time nordestino. “Colocamos o Fortaleza em um patamar mais alto. Uma pena as cobranças de pênaltis. Infelizmente, não conseguimos passar. Mas mostramos competitividade contra grandes equipes. Não desistimos do jogo até o final. Lamentamos não ter a melhor sorte na cobrança dos pênaltis. A equipe lutou. Muito orgulho dos atletas que trabalham comigo”, disse o treinador, em entrevista coletiva após a partida.

O Fortaleza se despede da competição após empatar com o Tricolor paulista em 3 a 3 no duelo de ida, no Castelão, e 2 a 2 no Morumbi, na volta – nas penalidades, o São Paulo venceu por 10 a 9. Para Rogério Ceni, a eliminação também tem certa culpa da arbitragem, que foi muito questionado no primeiro confronto. “Claro que a gente fica chateado porque nós tivemos sempre o pênalti à frente, mas não conseguimos fazer com que o São Paulo perdesse alguma penalidade. Mas aí é um pouco de informação, que a gente poderia ter utilizado um pouco mais. É um sentimento de orgulho, mas amargo porque perdemos para uma grande equipe. Não jogamos de igual para igual porque o árbitro do primeiro jogo interferiu no placar final. Na soma das duas partidas, foi o árbitro do primeiro jogo que teve a maior interferência”, falou.

Ceni, por sua vez, admitiu que o time poderia ter evitado alguns ataques são-paulinos. “Eu queria mesmo era a vitória. Era a única coisa que eu queria. Nos preparamos para vencer. Tomamos um gol de bola parada que não deveria acontecer porque é um dos pontos fracos do São Paulo. De positivo, não desistimos do jogo. Tivemos várias chances até o empate. Uma fatalidade nos tirou da competição”, comentou.