A vida segue difícil para o consórcio de empreiteiras Concremat — da famosa e desastrosa ciclovia Tim Maia, que não para em pé no Rio — e Encalso.

Na semana passada, o consórcio foi rejeitado numa concorrência da Petrobras por não apresentar grau de compliance e integridade adequados aos novos padrões do mercado. A petroleira fez questão de colocar no comunicado de desclassificação o Grau de Risco de Integridade (GRI) como fator da decisão.

“Comunicamos a desclassificação da proposta do consórcio formado pelas empresas Encalso Construções e Concremat Engenharia na etapa de Efetividade, conforme item 5.1.1, alínea “d” deste Edital, por uma das consorciadas apresentar GRI Alto”, registra a Petrobras.

ATUALIZAÇÃO, 14H de 17/10/2020 — A assessoria da Concremat enviou a seguinte nota ao Radar: “A Concremat Engenharia e Tecnologia S/A tem a esclarecer que não foi responsável pelas obras da Ciclovia e tampouco se encontra inabilitada por risco de integridade junto à Petrobras. A alegação que levou à eliminação está sendo questionada pela líder do Consórcio junto ao cliente”.

O Radar mantém as informações.

Continua após a publicidade